Quinzena Gastronómica em Campo Maior com sopas para todos os gostos

De forma a promover as tradições gastronómicas locais e a apoiar e dinamizar a economia do concelho, o Município de Campo Maior está a promover, até quarta-feira, dia 15, mais uma Quinzena Gastronómica, desta vez dedicada às sopas.

Entre os restaurantes aderentes à iniciativa encontra-se a Taberna “O Ministro”. Por esta ocasião, segundo explica o proprietário, João Paulo Borrega, as sopas de cação, de tomate e canja são os principais destaques, sendo “o maior ex-líbris” deste estabelecimento a sopa de coelho bravo.

Grande parte das sopas produzidas, à semelhança do que acontece com outros pratos, neste restaurante, provêem de “receitas antigas”, que João Paulo Borrega tem procurado recuperar, “não só de Campo Maior, mas de todo o distrito”.

Mas se há sopas que, de acordo com João Paulo Borrega, só tenham saída em meses de outono e inverno, por serem mais “fortes ou refogadas”, como a de tomate e de grão, há outras que fazem as delícias dos clientes durante todo o ano: é o caso das sopas de coelho bravo e de cação.

Considerando que “a boa gastronomia” de Campo Maior “precisa de ser mais promovida”, João Paulo Borrega assegura que estas iniciativas, desenvolvidas pela autarquia, “são sempre boas”. “A Câmara agora está com umas iniciativas engraçadas, muito giras, e, a pouco e pouco, vai conseguir fazer uma coisa grande”, diz ainda.

Várias sopas tradicionais têm também um grande destaque na ementa do Azeitona – Tapas Bar, um dos restaurantes de Campo Maior aderentes a esta Quinzena Gastronómica.

Ainda que o estabelecimento localizado no jardim municipal da vila tenha feito uma maior divulgação, por esta ocasião, de três sopas em específico, diz a proprietária Isabel Martins – ou Babel, como é mais conhecida – a oferta deve ser “mais variada”, pelo que acaba por ir além das tradicionais sopas de feijão com couve, de tomate e açorda. “Achamos que devemos variar a oferta, para além dessas sopas que estão anunciadas e temos, por exemplo, sopa de cação, cozido à portuguesa e vamos aproveitar também os caldos do sabor da carne e da couve para fazer sopa do cozido”, adianta.

A verdade é que as sopas fazem parte da ementa do restaurante, ao longo de todo o ano. Mas se no verão, é o gaspacho que tem maior saída, ou não fosse uma “sopinha fresca”, nesta altura, em que o frio já se faz sentir, os clientes preferem as sopas mais “aconchegantes” e típicas do Alentejo.

No Azeitona, os pratos confecionados seguem sempre as receitas mais tradicionais. “É não mexer para não estragar”, diz Babel, que prefere manter todos os pratos com “o sabor original de antigamente”. No restaurante, privilegiam-se “as sopas tradicionais do Alentejo, todas as sopas da panela, que aquecem a alma e o coração”.

Estas quinzenas são importantes, diz ainda a proprietária do Azeitona – Tapas Bar, porque “dinamizam” e ajudam a divulgar a restauração de Campo Maior”. “Nós, por acaso, apelámos ao Município para tentar fazer uma divulgação aos meios de comunicação porque, para mim, quinzena sem divulgação não tem impacto”, remata.

No caso do restaurante São Pedro, situado na Estrada do Bicho, revela Dora Garcia, uma das cozinheiras de serviço, no decorrer da iniciativa, até à próxima quarta-feira, as atenções centram-se em duas sopas em específico: Sopa Rica de Peixe e Marisco e Sopa de Outono.

“Procurámos fugir ao mais tradicional, se bem que a sopa de outono é feita com os produtos da época, como a abóbora, a couve e a castanha. A sopa de peixe, que temos ao longo de todo ano, não deixa de ser uma sopa de peixe, só que com ingredientes mais variados”, com um toque “especial”, explica Dora.

Com estas quinzenas gastronómicas, diz ainda Dora Garcia, o restaurante, que apresenta pratos diferentes do habitual por esta ocasião, sai a ganhar, com a divulgação que é feita. “Sempre é diferente, porque quem vai vendo as divulgações das quinzenas acaba por conhecer o espaço, ou quem conhece por procurar por outros motivos”, assegura.

Já Gonçalo Sequeira, um jovem campomaiorense formado em Cozinha e Pastelaria, outro dos responsáveis pelas refeições servidas no restaurante São Pedro, e que dá um “toque especial” às sopas confecionadas por estes dias, garante que gosta de fazer de tudo um pouco nesta área. Confidencia, contudo, que nem sempre teve por objetivo ser chef de cozinha.

Ao todo, participam nesta Quinzena Gastronómica das Sopas, oito restaurantes do concelho.