DECO alerta para cuidados a ter na gestão do dinheiro

Muitos jovens abrem e começam a gerir a sua primeira conta à ordem quando se iniciam no mercado de trabalho ou quando entram para a universidade. O cartão de estudante é, muitas vezes, também cartão de débito associado a uma conta à ordem.

“O banco concede um plafond e o estudante vai gastando até que surge o dia em que tem de devolver o dinheiro que o banco lhe emprestou, até com juros, e tudo começa a complicar-se”, refere Maria Inês Alvarenga (na foto), jurista na delegação de Évora da DECO.

“Nesta fase, porventura, o primeiro passo de maior impacto na vida financeira do estudante será o recurso ao crédito. O crédito estudante ou para formação prevê um período de carência, em que só paga juros. Veio facilitar o acesso ao ensino e à formação a quem não dispõe de meios financeiros para tal, mas o estudante deve saber que vai pagar juros. Quanto mais tempo estiver a pagar, mais juros suportará. Logo, mais caro lhe vai sair o crédito no final.

A oferta deste tipo de produto, ao nível de créditos para estudantes, é diversificada e com juros bonificados, podendo incluir uma Garantia Mútua por parte do Estado. Mas se optar por essa solução, o conselho da DECO é para que compare e que não peça mais do que necessita, pelo que é fundamental fazer uma boa gestão financeira o que implica a tomada de decisões e opções no dia-a-dia”, sublinha.

DECO alerta consumidores, e sobretudo os jovens, para cuidados a ter na gestão do dinheiro. Este é o tema da edição desta semana da rubrica da DECO, com Maria Inês Alvarenga.