Distrito vai ter centro de acolhimento de emergência para vítimas de violência doméstica

Depois da sua passagem por Campo Maior (ver aqui), a Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade esteve de visita a Elvas, durante a tarde desta sexta-feira, 17 de dezembro, para um encontro, na Câmara Municipal, com os responsáveis pelas estruturas de atendimento às vítimas de violência doméstica e da resposta de apoio psicológico a crianças e jovens, neste mesmo contexto, coordenadas pela Cruz Vermelha.

Durante esta reunião, Rosa Monteiro anunciou a novidade da instalação, no distrito, de uma estrutura de acolhimento de emergência para vítimas de violência doméstica. “Às vezes, estas horas de apoio estratégico às mulheres, de onde têm de sair, de uma situação onde estavam profundamente inseguras e a correr riscos, é muito importante. Ter aqui uma resposta, no território e que sirva todos estes concelhos, gerida por uma equipa especializada era muito importante”, revela. “Foi possível apoiar e criar esta resposta, agora, com este financiamento, e é com muita felicidade que aqui estou para testemunhar, realmente, mais esta resposta, no local e num distrito que não a tinha”, acrescenta.

A Secretária de Estado lembra ainda que o Governo tem procurado ampliar a sua intervenção, a este nível da violência doméstica, em todo o território, com equipas especializadas, como o Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica de Portalegre, sendo que o atendimento já chega a quase todos os concelhos do país. Rosa Monteiro recorda também que têm sido criadas novas respostas, como é o caso da Resposta de Apoio Psicológico, dirigida a crianças e jovens vítimas de violência doméstica, que já tem impacto na região.

Para além de se revelar muito satisfeito com a notícia dada pela secretária de Estado, relativa à abertura de estrutura de acolhimento de vítimas de violência doméstica, no distrito, Ricardo Garcia, diretor de operações da Cruz Vermelha Portuguesa, revela que, atualmente, esta instituição humanitária presta apoio, em todo o país, sobretudo através de teleassistência, a cerca de quatro mil mulheres.

O crescimento do número de casos de violência doméstica, no distrito, diz ainda Ricardo Garcia, acontece devido ao trabalho que tem sido levado a cabo. “A equipa que está em Portalegre tem feito muita comunicação do serviço que existe, onde está, o horário de funcionamento e as pessoas têm vindo”, adianta. Se as pessoas souberem que existe esta resposta de apoio, garante, “procuram esse apoio”. Ricardo Garcia lembra ainda o estigma associado ao “assumir e afirmar que se precisa de ajuda”, que diz ser muito importante, assegurando, por outro lado, que no distrito de Portalegre existem estruturas já com muitos anos de experiência para dar o devido apoio.

Já a vice-presidente da Câmara de Elvas, Anabela Cartas, revela que, apesar de na cidade existir um espaço dedicado ao atendimento de vítimas de violência doméstica, a autarquia está empenhada em encontrar um outro, para que estas pessoas possam ter o acompanhamento necessário nas melhores condições. Quanto à visita da secretária de Estado, Anabela Cartas diz-se muito satisfeita pela possibilidade de se estreitar relações, com vista a combater o flagelo da violência doméstica.

Só este ano, o flagelo da violência doméstica já resultou em 20 homicídios – 14 mulheres, cinco homens e uma criança – no país. Anabela Cartas garante que, perante estes números “assustadores”, é fundamental dar todas as condições aos técnicos que, numa primeira fase, trabalham com as vítimas. É aí, na verdade, que se pode trabalhar com estas pessoas e evitar o desfecho trágico.

A assistente social e técnica do Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica de Portalegre, Carla Batista revela que, só no distrito, este ano, foram identificados 66 casos de violência doméstica. “A par da pandemia que ainda vivemos, tivemos que reinventar formas de contacto para chegar, na mesma, ao contacto com as pessoas que precisam. No entanto, através da conjugação de esforços, entre nós, GNR, PSP, CPCJ, municípios, houve uma maior comunicação e um apoio efetivo a todas as vítimas que nos solicitaram apoio”, acrescenta. Quanto ao apoio psicológico de crianças e jovens, agora prestado, Carla Batista garante que este era, desde o início dos trabalhos do núcleo, necessário.