Morte de Chalana “foi uma perda enorme”, diz Manuel Claudino

Fernando Chalana, o Pequeno Genial do Benfica, faleceu na madrugada desta quarta-feira, dia 10, aos 63 anos.

Um dos grandes e eternos nomes da Mística do Sport Lisboa e Benfica, ingressou no Clube aos 15 anos e representou-o, primeiro como jogador, durante 13 épocas (1974-1984 e 1987-1990), e depois, durante largos anos, como elemento técnico ligado ao futebol.

A Casa do Benfica de Elvas mostra-se solidária “com a dor da família de Chalana e também de todos os benfiquistas”, como nos referiu o presidente Manuel Claudino (na foto). “Foi uma perda enorme de um craque da Seleção Nacional e do Benfica. Obrigado ao Fernando Chalana que nos deu muitas glórias.

Natural do Barreiro, onde nasceu no dia 10 de fevereiro de 1959, Fernando Chalana vestiu oficialmente a camisola do Benfica pela primeira vez no dia 7 de março de 1976, com apenas 17 anos. Até àquela data, nunca ninguém tão jovem havia atuado na 1.ª Divisão portuguesa.

Fernando Chalana jogou dez anos no Benfica, antes de rumar ao Bordéus para ser o primeiro português a ter uma carreira internacional. Voltou à Luz, antes de seguir carreira no Belenenses e no Estrela da Amadora.

Na carreira de treinador começou como treinador-adjunto nos escalões de formação do Benfica e conquistado o campeonato na época 1999/2000. Passou ainda pelo Oriental e Paços de Ferreira e foi adjunto da equipa principal do Benfica, nomeadamente de Jesualdo Ferreira, Camacho, Fernando Santos e Quique Flores, tendo colocado um ponto final na carreira como treinador em 2008.