Alunos do concelho defendem os seus direitos na 4ª Assembleia infantojuvenil de Elvas

A quarta edição da Assembleia Municipal Infantojuvenil de Elvas decorreu esta manhã de segunda-feira, 21 de novembro, no salão nobre dos Paços do Concelho.

Durante esta manhã, os alunos dos três agrupamentos de escolas do concelho e do Colégio Luso-Britânico assumiram a posição de deputados e, nesta Assembleia, apresentaram as suas questões e debateram temas relacionados com os seus direitos, nas áreas da educação, ambiente, saúde, igualdade e não discriminação e segurança e proteção, a todas as entidades presentes.

José Rondão Almeida, presidente da Câmara Municipal de Elvas, destaca o talento “muito grande” destes alunos e revela que, em “todas as intervenções, foi-nos dada uma grande lição, daquilo que são os direitos de cidadania, e foram capazes de mostrar aqui o problema que existe com a criança desde o ambiente, à segurança e tratamento na sociedade e na própria casa”.

“Este tipo de assembleia é muito importante”, diz o presidente, uma vez que as crianças “emitem as suas opiniões perante todas as entidades, e de forma transparente conseguem trazer aquilo que, muitas vezes, os adultos não são capazes de o fazer”.

O presidente acredita que o caminho se faz neste sentido, porque “nem todos os concelhos têm este tipo de iniciativa”, onde os alunos demonstram as principais preocupações, no que à sua faixa etária dizem respeito, felicitando todos os intervenientes nesta Assembleia.

Muitas preocupações apresentadas dos alunos, acrescenta Rondão Almeida, “têm alguma razão de ser, no que diz respeito até ao próprio trabalho da autarquia, como existir uma maior ligação entre os agrupamentos, haver associações de estudantes em todas as escolas, bem como problemas existentes nos estabelecimentos de ensino e alertam-nos para determinadas situações a que a Câmara tem de estar atenta, e por isso faço-me acompanhar dos vereadores para que registem e tentem resolver alguns desses problemas”.

Uma das questões levantadas nessa Assembleia foi uma maior utilização de bicicletas e trotinetes elétricas. Questionado sobre se o município pretende aplicar algum sistema do género, o presidente diz que “tem de ser criado mais espaço para o estacionamento das bicicletas, por outro lado, foram alertados os utilizadores para a utilização de elementos de segurança, como capacete, uma vez que tem havido muitos acidentes, por falta de utilização destes elementos”.

“Tudo o que aqui foi dito será repensado e analisado”, remata Rondão Almeida.

Já Raquel Guerra, presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Elvas, considera que esta assembleia, que vai na sua 4ª edição, “é o espaço indicado para dar voz às preocupações e necessidades dos mais novos, e vemos que há uma evolução, eles vêm muito preparados, têm um papel interventivo e refletem sobre o que estão a dizer, no que aos seus direitos diz respeito”.

A presidente da CPCJ de Elvas adianta ainda nesta sessão se destacaram “as moções que alguns apresentaram e fizeram uma reflexão excelente e nós, adultos, muitas vezes não valorizamos e não acreditamos que assim seja e eles, nestas assembleias, mostram-nos a consciência que têm do que são os seus direitos”.

Nesta Assembleia, acrescenta Raquel Guerra, é também importante “trabalhar a cidadania e participação cívica na sociedade, porque são eles os futuros adultos e, a nós, compete-nos dar-lhes voz”.

A quarta Assembleia Infantojuvenil de Elvas foi uma organização da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Elvas, no âmbito dos 33 anos da Convenção sobre os Direitos das Crianças, que se assinalam esta segunda-feira, 21 de novembro.