Absentismo escolar é mais frequente no Agrupamento de Escolas nº2 de Elvas

A taxa de abandono precoce da educação e formação registou, pelo quinto ano consecutivo, uma diminuição, alcançando em 2021 um mínimo histórico de 5,3% no continente, de acordo com informação do Instituto Nacional de Estatística.

Brígida Gonçalves (na foto), diretora do Agrupamento de Escolas nº 2 de Elvas, explica que “a taxa de abandono escolar é praticamente nula, uma vez que os jovens estão na escolaridade obrigatória até aos 18 anos. O que temos muito é o absentismo escolar. Temos alunos que não têm interesse nenhum pela escola e faltam muito”.

No caso destes jovens, que não têm nenhum interesse no ensino, o Agrupamento tenta desenvolver outras atividades de “forma a cativá-los”, segundo Brígida Gonçalves.

No entanto, “os cursos profissionais acabam por ser uma alternativa para que os jovens completem o 9º ano de escolaridade”.

A taxa de abandono escolar tem sido considerada o principal indicador do desempenho dos sistemas educativos, uma vez que permite identificar a percentagem de jovens que não concluiu o ensino secundário, nem se encontra a frequentar qualquer modalidade de educação e formação, enfrentando assim uma situação mais vulnerável no acesso ao mercado de trabalho.