Herdade de Castros prolonga campanha devido a muita azeitona e pouca mão de obra

A Herdade de Castros, localizada na Estrada de Ouguela, em Campo Maior, desde 2008, tem cerca de 400 hectares de olival tradicional e intensivo, sendo que ali é feita também a transformação da azeitona, no lagar da propriedade.

Francisco Ponte Romão, proprietário da herdade e do respetivo lagar, explica que a apanha da azeitona é feita com recurso a vibradores de tronco, depois vai para o lagar onde é separada por variedades e transformada em azeite ou azeitona de mesa. Na sua herdade, tem praticamente todas as qualidades de azeitona, sendo as principais a azeiteira, carrasquenha e picual.

Para este trabalho, há sete pessoas a trabalhar no lagar, 24 no campo com as máquinas e entre 10 a 12, “dependendo das que aparecem” que apanham a azeitona, em locais onde a máquina não pode passar, revela o proprietário, adiantando que, “antes, havia pessoas certas”, mas este ano a falta de mão de obra “é óbvia”, uma vez que as pessoas disponíveis se distribuem pelos vários produtores, pelo que “a campanha olivícola, que já deveria ter terminado, neste momento, ainda vai a meio”.

Questionado sobre o facto de recrutar mão de obra de fora do país, esclarece que até preparou algumas casas para alojar pessoas, e tentou “trazer indianos ou paquistaneses, através de empresas de trabalho temporário”, mas não conseguiram arranjar ninguém.

Este ano, tanto a qualidade como a quantidade de azeitona são muito superiores. Francisco Ponte Romão refere que “o ano passado foi muito mau”, em termos de produção, mas que este ano é um ano excecional, daí que vamos ter uma produção record, sendo este o ano em mais vamos produzir, cerca de dois milhões de quilos de azeitona”.

Apesar da falta de trabalhadores, o proprietário da Herdade de Castros refere que tem “conseguido dar resposta de forma mais lenta”, sendo que as máquinas são uma vantagem e “facilitam a colheita, admitindo que quem não as tem, anda desesperado”.

Perante o excesso de produto e falta de trabalhadores, Francisco Ponte Romão refere que talvez a solução passe por “deslocalizar a mão de obra para onde efetivamente faz falta, porque as pessoas que existem e não estão a trabalhar, por exemplo no desemprego, não querem perder regalias para apanhar azeitona”, sendo esta uma dificuldade transversal a outras campanhas agrícolas.

Tendo em conta a grande produção deste ano, “com o boom que houve de olivais superintensivos, onde a colheita é mais rápida e se concentra num curto espaço de tempo, as unidades de bagaço de azeitona que existem no país, que são muito poucas, enchem muito rapidamente, daí muitos dos lagares terem que parar a produção porque não tinham onde por o bagaço, uma vez que o bagaço se não for tirado do lagar, este tem de parar”.

Perante esta situação, muitos produtores optaram por levar o bagaço de Azeitona para Espanha, onde a produção de azeite foi menor. É também o caso de Francisco Ponte Romão que leva o bagaço para um lagar no norte da Estremadura espanhola, onde existe pouca azeitona e conseguiram colocar lá o bagaço, mas “acarreta mais custos, porque é pago à tonelada e ao quilómetro”, considerando ser diferente “mandar, como anteriormente, para o Crato e agora para uma unidade que, fica a 300 quilómetros”.

O proprietário da Herdade de Castros, em Campo Maior explica ainda como é feito o tratamento do bagaço de azeitona: é retirada alguma percentagem de azeite, através de processos que os lagares não conseguem, o caroço de azeitona é usado para combustão de caldeiras e a pele e polpa é utilizada para um processo interno de combustão, para a secagem do próprio bagaço”. Francisco Ponte Romão faz ainda algumas críticas ao Ministério do Ambiente, assumindo que, uma vez que não é técnico não sabe bem porquê, mas adianta que “se deixar cair a azeitona e não a apanhar ninguém critica ou acusa de estar a poluir, o bagaço que é precisamente a mesma azeitona, sem o azeite, não tem adição de produto nenhum, já é poluente, e não consigo perceber isso”, explica.

“Agora o que sei é que o nosso Estado aprova plantações de olivais, aprova a implantação de lagares e continuar com as mesmas unidades de bagaço, não deixa implantar mais, e creio que esta realidade será assim todos os anos, devido aos olivais superintensivos, que cada vez produzem mais, e se não forem tomadas medidas todos os anos vamos ter este problema”, remata Francisco Ponte Romão.