Hotel em monumento nacional é polémico em Estremoz

Um conjunto de edifícios abandonados em Estremoz, entre eles a “Casa do Alcaide-Mor”, monumento nacional desde 1924, está no centro de uma polémica na cidade.

As obras de adaptação começaram em abril deste ano, na antiga casa onde habitou D. Sancho de Noronha, no século XV, e vão dar lugar a um hotel de charme. De acordo com o diário “Público”, “da adaptação do conjunto de imóveis vão surgir várias habitações turísticas, com a designação de “villas”. O edifício estava abandonado há quase um século.

O próximo presidente da Câmara Municipal de Estremoz, José Sádio, explicou ao semanário “Expresso” que o processo de demolição se tornou “irreversível”, mas a fachada será reposta: “foi mapeada toda a estrutura, para que possa ser construída igual à que estava”.

Vítor Cóias, especialista na requalificação e reabilitação de património que privilegia a utilização de técnicas e materiais tradicionais, afirma que “foram guardadas as cantarias para ser incorporadas na nova fachada”, mas contesta opções do projeto que é assinado pelos arquitetos Siza Vieira e Carlos Castanheira. “Pode-se demolir um monumento nacional e substituí-lo por uma réplica com estrutura de betão armado? Pode, como se demonstra com a Casa do Alcaide-Mor da Cidadela de Estremoz”, refere ao “Público”.

José Trindade, vereador da maioria que preside ao executivo municipal, por sua vez, diz que o processo foi precedido de um relatório prévio aprovado pelos serviços de arqueologia da Direção Regional de Cultura do Alentejo e assegura que foi efetuada uma “demolição/contenção da fachada, com aproveitamento de todos os elementos necessários para a sua replicação”.