PSP sinalizou 1244 idosos em risco este ano

Hoje, dia 1 de outubro, assinala-se o Dia Internacional do Idoso, instituído em 1991 pela Organização das Nações Unidas, com o intuito de alertar a sociedade para a necessidade de proteger e cuidar da população mais envelhecida.

A Polícia de Segurança Pública (PSP), pioneira no policiamento de proximidade em Portugal, no âmbito das suas competências genéricas de prevenção da criminalidade e, especificamente, na proteção e promoção da segurança dos especialmente vulneráveis, mantém permanentemente a ligação com os cidadãos mais idosos, esforço que assinalamos especialmente neste dia.

Nesse contexto, entre 19 de julho e 24 de setembro, a PSP levou a cabo a operação “Solidariedade Não Tem Idade/2021”. Nesta edição de 2021 foram efetuados 8033 contactos individuais (+ 1747 que no ano transato), tendo sido sinalizados 1244 idosos que se encontravam em situação de risco (+ 253 que no ano transato), pelas circunstâncias que de seguida se indicam: 386 Idosos sinalizados devido isolamento geográfico e/ou social; 569 Idosos sinalizados devido a vulnerabilidades relativas à sua autonomia reduzida; 124 Idosos sinalizados devido a serem vítimas de violência/crime; 174 Idosos sinalizados por outras causas.

Esta operação de cariz preventivo, realizada desde 2012 através dos Polícias afetos às Equipas de Proximidade e Apoio à Vítima, anualmente e a nível nacional, está especialmente direcionada para os cidadãos seniores (> 65 anos de idade) e tem como principal objetivo a deteção tão precoce quanto possível de casos de fragilidade social entre a população idosa.

Em geral, os idosos, pelas suas vulnerabilidades físicas e psíquicas, tornam-se vítimas preferenciais em relação a crimes contra o património (roubo, burla, extorsão), contra a liberdade pessoal (ameaça, coação, sequestro) e contra a integridade física (ofensa à integridade física, violência doméstica, maus-tratos). A estas vulnerabilidades somam-se, pontualmente, as de cariz económico, materializadas em frágeis condições de habitação, higiene, saúde pública, saúde individual (muitas vezes dependentes de medicação regular) e/ou alimentação. E todas estas variáveis, sem um círculo familiar ou de vizinhança ativos e solidários, potenciam as situações de anonimato que inviabilizam eventuais intervenções de cariz assistencial, podendo mesmo, por vezes, culminar na morte da pessoa idosa.

Os Polícias destas Equipas procuram recolher indícios de maior vulnerabilidade física e psíquica ou de situações suspeitas de crimes, eventualmente agravados pela situação epidemiológica da COVID-19. Posteriormente, a PSP partilha esta informação e aciona meios de resposta social em coordenação com as diversas entidades parceiras.

Na operação “A Solidariedade Não Tem Idade” a PSP exerce as suas competências de prevenção criminal (e de prevenção prioritária) que lhe estão genericamente atribuídas, fazendo-o em cooperação com instituições locais e em apoio a outras entidades nas suas competências de apoio/assistência social ou serviços médicos, salvaguardando as áreas de intervenção próprias de cada uma.

Adicionalmente, é divulgado igualmente o projeto da PSP – Estou Aqui Adultos, iniciado em 2015 com a Fundação Altice, para pessoas com potencial de perturbação da referenciação espácio temporal. No âmbito deste projeto, durante este ano foram já pedidas e ativadas 1245 pulseiras que, considerando que cada adesão tem a validade de 2 anos, totaliza neste momento 3 218 adesões ativas.

Salienta-se ainda que, no decorrer de 2021, já foi possível promover o rápido reencontro de 8 idosos com as respetivas famílias, através do Estou Aqui Adultos, encontrando-se a grande maioria na faixa etária entre os 70 e os 89 anos.

Neste Dia do Idoso a PSP apela a que toda a sociedade apoie ativa e diariamente todos os cidadãos seniores, nomeadamente sinalizando situações de risco e vulnerabilidade também por intermédio do canal proximidade@psp.pt.