Fim das moratórias vai ser “dramático”

O fim das moratórias vai ter impacto no orçamento de muitas famílias e na liquidez das empresas. Disponibilizadas em março de 2020, no início da crise causada pela pandemia da COVID-19, as moratórias de crédito têm sido sujeitas a muitas revisões, prorrogações e alterações.

Para as empresas que estejam já a beneficiar de moratórias desde 2020, a data de fim é 30 de setembro de 2021 e Jorge Pais (na foto), presidente do Núcleo Empresarial da Região de Portalegre (NERPOR), “está-se a avizinhar um período bastante complicado. Como solução natural, muitas das empresas, com o objetivo de sobreviver, endividaram-se ainda mais. Conseguiram beneficiar. durante este período de tempo, do não pagamento pelo recurso às moratórias mas estas vão acabar. A banca vai passar a exigir os pagamentos normais, agora acumulados pelos juros e moratórias que não foram pagos. Daí que é preciso procurar soluções acessíveis para as empresas”.

Jorge Pais refere que vai ser “dramático, sobretudo para região do Alto Alentejo que já sofre com a pouca população e de diversas dificuldades. Nesse sentido, temos vindo a  defender a criação de apoios específicos e instrumentos próprios aos quais as empresas possam recorrer”.

As moratórias têm incidido sobretudo no crédito habitação, crédito hipotecário, e locação financeira de imóveis destinados à habitação.