Câmara de Évora cancela Feira de São João este ano

A Feira de São João, em Évora, volta a não realizar-se, este ano, devido à pandemia. Uma decisão aprovada por maioria na reunião pública da Câmara de Évora, de 7 de abril, com a abstenção do vereador José Policarpo, do PSD.

O município deixou ainda em aberto a possibilidade de a Feira de São João poder ser assinalada, com um programa compatível com os níveis de segurança e saúde pública exigidos.

Na mesma reunião do executivo, a vereadora Sara Dimas Fernandes informou que foi dado início à requalificação do último dos três moinhos por recuperar no Alto de S. Bento, visando a moagem de cereais, integrado num projeto educativo e ambiental mais vasto.

Há também uma intervenção em curso nos outros moinhos para observação de aves. Este projeto conta com um conselho consultivo que inclui diversos técnicos, a União de Freguesias da Malagueira e Horta das Figueiras e o Professor Galopim de Carvalho, tendo ocorrido recentemente uma reunião de trabalho.

O presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá fez o habitual ponto de situação sobre a pandemia sublinhando que a situação está a evoluir de forma favorável. No entanto, mantém-se o estado de alerta com a possibilidade de reativar equipamentos de retaguarda, caso se justifique.

Foi aprovada por unanimidade a deliberação de adjudicação da empreitada referente ao “Concurso Público para Construção do Centro de Convívio da Horta das Figueiras” à empresa “A Encosta – Construções S.A.” pelo valor global de 179.635,75 euros (acrescido de IVA).

O projeto de ampliação do Cemitério da Boa Fé mereceu também aprovação unânime. A obra será executada em duas fases. Estima-se que o valor da obra desta primeira fase seja de 52.659,10 euros mais IVA. O presidente da Câmara de Évora informou ainda que já se procedeu à aquisição de todos os terrenos relativos a ampliações dos cemitérios prioritários no concelho.

Nesta reunião foram igualmente aprovados por unanimidade dois votos de pesar. O primeiro, proposto por Carlos Pinto de Sá, pelo falecimento do presidente da Câmara de Viseu, António Almeida Henriques, e o segundo, proposto pelo vereador José Policarpo, pelo falecimento de Joaquim Azeda, antigo cabo do Grupo de Forcados Amadores de São Manços.