UÉ desenvolve dispositivos de controle de pragas

A Universidade de Évora desenvolveu três dispositivos para capturar em massa insetos  voadores, sobretudo uma das mais importantes pragas do olival, a mosca-da-azeitona,  que pode reduzir em mais de 90% a produção de azeitona para azeite.

“A ideia para o desenvolvimento dos dispositivos surgiu de Fernando Rei, quando este investigador no Instituto Mediterrâneo para Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da UE abordou a forma de limitar a mosca-da-azeitona (Bactrocera oleae) através de metodologias de captura em massa, em alternativa à luta química. Os dispositivos propostos têm como objetivo capturar um elevado  número de indivíduos da praga”, de acordo com José Janela (na foto), da Quercus.

O facto mais surpreendente, segundo a Universidade, “é a diminuição do número de  armadilhas necessárias por hectare, passando de 57 para  apenas 11 a 12”.

Os três dispositivos de controlo de pragas surgiram no âmbito de um projeto vocacionado para a proteção do olival, da responsabilidade do Laboratório de Entomologia, com a colaboração dos laboratórios de Engenharia Rural e de Mecatrónica da UÉ, com apoios comunitários dos programas Alentejo 2020, Portugal 2020 e FEDER.