“Há crianças que já não regressam”, diz presidente do RCE

A pandemia Covid-19 veio limitar por completo a prática de desportos de equipa, como é o caso do rugby. Impedidos de competir e treinar, os clube de rugby do Alentejo temem pela continuidade dos mesmos uma vez que os escalões de formação foram bastante afetados por esta questão.

No caso do Rugby Clube de Elvas (RCE), a época terminou em março de 2020 com um mega torneio da modalidade, em três campos da cidade. Apesar das tentativas da equipa técnica em manter a dinâmica dos treinos, ainda que através da plataforma Zoom, Luís Carvalho, presidente do clube, reconhece que “muitas das crianças já não vão regressar à atividade quando a situação pandémica estiver resolvida. O único treino que temos com eles é através do computador. Se formos contabilizar os miúdos que temos, são muito menos em relação aos que tínhamos no campo. É muito tempo em que estamos parados. Nós precisamos urgentemente voltar aos treinos”.

Luís Carvalho refere que “as crianças estão a ficar muito sedentárias porque passam grande parte do tempo em casa, em frente a um computador. Ou seja, aquele ritmo da crianças ir para a rua praticar desporto, neste momento não existe. Certamente que começarão a aparecer estudos sobre esta situação mas eu penso que vamos demorar algum tempo a conseguirmos retomar a normalidade na vida destas crianças”.

Com os escalões de formação comprometidos, todos os escalões seguintes estão em risco. O presidente do Rugby Clube de Elvas garante que “mesmo no escalão sénior tem alguns problemas porque falamos de atletas que ainda dependem dos pais. E muitos dos encarregados de educação não os deixam ir treinar devido ao medo da pandemia”.