Movimento Cívico por Elvas garante “oposição pela positiva”

Os vereadores eleitos na Câmara Municipal de Elvas, pelo Movimento Cívico por Elvas (MCPE), informam, em comunicado, que “apesar de não ter havido disponibilidade, da maioria PS, para aprovar as nossas propostas, relativas aos apoios a atribuir à população em geral, mundo empresarial e associações, bem como a Moção apresentada relativa à desagregação das freguesias rurais de Barbacena, Vila Fernando, Vila Boim e Terrugem”, os dois vereadores  “votaram favoravelmente todas as propostas apresentadas pela maioria socialista”.

“As propostas apresentadas pelos eleitos do PS foram aprovadas pelos eleitos do MCPE porque, na sua génese, continham 90% do que eram as ideias base das nossas propostas. No entanto, estamos certos que as nossas seriam mais adequadas à situação que, infelizmente, se vive.

As nossas propostas são do conhecimento geral e visavam atenuar os efeitos provocados pela pandemia e, em especial, os momentos difíceis que determinadas famílias atravessam, assim como determinados sectores de atividade ao verem os seus rendimentos baixarem seriamente”.

No comunicado, pode ler-se ainda que os vereadores lamentam “profundamente que a maioria PS tenha rejeitado as propostas e a moção pois, estamos certos, que muito iriam beneficiar Elvas.

Tal como tem sido apanágio do MCPE, desde o início do mandato, optámos por fazer oposição pela positiva e estamos recetivos a aprovar qualquer proposta, venha ela de que força política vier, sempre e quando esta se revelar vantajosa para os elvenses.

Lamentamos, contudo, que o MCPE não seja respeitado pela maioria PS e este aprovem as nossas propostas.

Constatamos que este tipo de atitudes vêm dar razão ao que o MCPE sempre afirmou. Pecam por tardias, porque já se justificavam desde abril do ano passado. Só não queremos acreditar que estivessem à espera do período pré eleições para tomarem estas medidas”.