Intervenção precoce na pandemia no “Elvas + Solidária”

A equipa da APPACDM de Elvas, que se dedica ao programa de Intervenção Precoce, nem na altura mais crítica de pandemia baixou ou braços e deixou de ajudar as crianças com mais necessidades a suplantar as suas dificuldades.

A verdade é que os tempos que se vivem não são fáceis e toda a forma de trabalhar, por parte dos técnicos, teve de ser reajustada, até porque, como lembra a assistente social Ana Gaspar (na foto), o trabalho que é desenvolvido com crianças e respetivas famílias, em muitos casos, vive da proximidade física.

“Na fase de confinamento, tivemos que aprender a trabalhar à distância e o trabalho direto que fazíamos e fazemos, há anos, teve que ser repensado, por forma a manter algum contacto, fazermo-nos sentir presentes, sem estar presentes fisicamente”, revela Ana Gaspar. Para isso, foi necessário recorrer às novas tecnologias e, com ajuda de as educadores de infância, fazer “a ponte com as crianças e as famílias”.

Apesar das dificuldades, Ana Gaspar assegura que foi nessa fase mais crítica que as famílias revelaram que precisam, mais que nunca, do trabalho e do apoio da equipa de Intervenção Precoce de Elvas.

Com o retomar das atividades letivas, a equipa voltou a realizar o seu trabalho mais de perto com as crianças e famílias, ainda que os domicílios tenham sido os últimos a ser permitidos, tendo sido necessário criar um plano de contingência próprio para o efeito. Agora, os técnicos

O trabalho da equipa de intervenção precoce de Elvas no período de pandemia é o tema desta semana do programa “Elvas + Solidária”.