Apanha noturna de azeitona no “Ambiente em FM”

Há muito que a Quercus vinha a defender a proibição da prática da apanha noturna de azeitona, tendo em conta o número de aves que, durante o processo, acabavam mortas.

Esta é uma prática que foi recentemente proibida pelo Governo, no olival superintensivo, como revela José Janela, da Quercus, na Rádio ELVAS.

“A prática mecânica conduz a perturbação e à mortalidade das aves”, assegura, adiantando que “medidas de mitigação como o espantamento das aves, não são eficazes, porque elas tendem a ficar quietas, devido às luzes”.

A prática passa agora a ser sancionada: “vai haver infrações contraordenacionais, e mesmo penais, graças à legislação em vigor”.

Esta atividade que, segundo a Quercus, provoca anualmente a morte, em Portugal, de “70 mil a 100 mil” aves protegidas, é o tema em destaque na edição desta semana do “Ambiente em FM”.