Enfermeiros pedem reunião à administração do hospital de Évora

Desde o passado dia 6 que o Conselho de Administração do Hospital do Espírito Santo de Évora decidiu implementar um novo modelo de atendimento de Urgência Pediátrica.

O serviço, entre os meses de agosto e setembro, viu reduzida a sua equipa em sete elementos e depois de vários esforços, garante o Conselho de Administração, para contratar pediatras, não houve “uma resposta que permitisse colmatar essas ausências de forma sustentada”.

Este novo modelo de atendimento na urgência pediátrica mantém o atendimento urgente com um pediatra de presença física, e com um ou dois médicos que fazem o primeiro atendimento”.

A verdade é que médicos e enfermeiros têm vindo a manifestar o seu desagrado com esta situação, garantindo que tanto a urgência, como a neonatologia encontram-se em risco, sendo que num total de 23 pediatras, apenas 15 estão ao serviço.

Nesse sentido, a Direção Regional do Alentejo do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) solicitou uma reunião urgente ao Conselho de Administração do hospital. De acordo com o enfermeiro Celso Silva, membro da direção regional do SEP, o serviço de urgência pediátrica do Hospital de Évora, “de referência na região”, foi transformado num mero balcão.

“O serviço é um serviço de referência na região e tememos que essa transformação pode significar um défice naquilo que é a resposta aos doentes da área de pediatria”, acrescenta.

O sindicato espera agora que o pedido de reunião seja aceite, para que se possa discutir o assunto, com o Conselho de Administração, no sentido de ser retomado o modelo anterior da urgência pediátrica.

“Existe carência de pediatras, tal como de enfermeiros, mas na nossa perspetiva terá de ser um reforço da equipa de saúde, de forma a que  o serviço de urgência pediátrica possa ser como até aqui”, remata o enfermeiro.

De acordo com o Conselho de Administração do Hospital do Espírito Santo, o modelo atualmente em funcionamento é “transitório”, até ao regresso dos pediatras que se encontram de baixa, em conjunto com o preenchimento das vagas atribuídas pelo Ministério da Saúde no concurso de especialistas.