João Favita em entrevista na Rádio ELVAS

João Favita (na foto), chefe do Agrupamento nº 158 de Elvas, do Corpo Nacional de Escutas, esteve esta tarde de quarta-feira, dia 30, em entrevista na Rádio ELVAS, para nos falar sobre o novo ano escutista que vai iniciar, e como foram vividos, estes tempos de pandemia.

“Todo o escutismo foi obrigado a reinventar-se, assim como todos nós nas nossas vidas” começou por dizer João Favita, relativamente à Promessa dos 29 escuteiros que tive lugar no passado fim-de-semana, em Elvas.

O chefe dos escuteiros afirma que, “para não quebrar o ciclo e o processo da vida escutista, estas foram adaptadas à pandemia. Assim, realizaram-se em contexto religioso, na Igreja de Santa Luzia, e foi feita uma transmissão em direto através do facebook do Agrupamento, para que todos pudessem assistir a esta celebração”.

João Favita afirma que “correu tudo muito bem” e que a questão da transmissão em direto será realizada cada vez que existirem cerimónias solenes.

Quanto à questão da Promessa ou renovação da Promessa refere que este “é o auge da preparação para ser escuteiro, é um compromisso para com Deus, Igreja e a Pátria da lei do escuta e daquilo com que se comprometem como escuteiros, como o lenço que vão transportar ao pescoço e aquilo que ele representa”.

João Favita diz que durante o Estado de Emergência, o escutismo a nível mundial e local readaptou-se e para não perder o contacto com os jovens, várias atividades foram feitas  online, apesar de o escutismo ser feito na rua.

Este mês de outubro tem início o ano escutista, mês em que também irão abrir as inscrições para todos aqueles que se queiram juntar ao Agrupamento nº158 de Elvas.