Amianto é o tema do “Ambiente em FM”

O amianto é um tema que está na ordem do dia, é uma fibra natural, que desde 2015 foi considerado pela Organização Mundial da Saúde como altamente cancerígeno, em caso de exposição prolongada, sendo proibida a sua utilização em toda a União Europeia.

Apesar desta proibição o amianto continua a existir em edifícios como estabelecimentos escolares entre outros, e José Janela, da Quercus afirma que “deve ser feito um plano para que sejam identificados os casos mais graves no sentido de se proceder à remoção do amianto”.

Ao nível da sua remoção têm sido tomadas algumas medidas, no orçamento e com ajudas comunitárias, o que é positivo e deve ser assinalado, entanto José Janela explica que “há muito por fazer, desde identificação completa nos edifícios públicos e empresas privadas, que já há legislação para isto mas ainda falta cumprir, informação do prazo de remoção que não está cumprido e outro problema é o seu acondicionamento em aterro”.

Sobre esta ultima situação a Quercus denunciou “a falta de informação e planeamento que leva a que haja muito amianto que seja espalhado pelas matas. José Janela afirma que “a proibição de deposição de resíduos de fibrocimento com amianto em oito aterros para resíduos não perigosos em Portugal está a levar a que haja mais abandono ilegal, uma vez que até agora era possível depositar em aterro e há algumas semanas deixou de ser possível”.

José Janela considera que “deveria ter sido feita uma adaptação dos aterros, houve vários anos com diretivas comunitárias mas isso ainda não está cumprido, então devem-se seguir as melhores orientações técnicas para a deposição do amianto em aterro”. No futuro deve-se pensar “num tratamento térmico que destrua o amianto e que o vitrifique, transforme em espécie de vidro, que depois pode ser utilizado sem problemas na construção civil”.

O amianto é o tema em destaque esta semana no “Ambiente em FM”, como José Janela da Quercus.