Violência doméstica aumenta em Elvas

Desde o início do ano, 20 mulheres foram assassinadas e outras 25 foram vítimas de tentativas de feminicídio em Portugal, de acordo com o Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA), o grupo de trabalho da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), anunciados em meados deste mês.

“No que diz respeito ao concelho de Elvas, entre março e junho deste ano, há um aumento de quatro novos casos em relação a 2019. Apesar deste aumento, não há uma relação direta entre os casos e o confinamento provocado pela Covid-19”, de acordo com Carla Batista, responsável pelo Núcleo de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica (NAVVD) do distrito de Portalegre.

“Os casos são, maioritariamente, sinalizados pelos serviços da comunidade sendo que foram feitas denúncias nas forças de segurança em relação a todos as situações”, garantiu a responsável.

Carla Batista explica ainda que as vítimas “devem fazer queixa nas forças de segurança, nomeadamente a PSP e GNR e podem também ligar para o número 144, uma linha de apoio. Posteriormente é feita uma avaliação da situação da pessoa e feito um plano de segurança, único e adaptado a cada situação em concreto.

O Núcleo de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica (NAVVD) do distrito de Portalegre presta, atualmente, apoio a 54 casos de violência doméstica, 15 no concelho de Elvas.

Elvas conta com seis casos entre março e junho, mais quatro em relação a 2019.