Virtual Arena entra em Espanha a partir de Elvas

O Virtual Arena é uma plataforma digital e virtual para eventos, criado pelo Grupo GCI, em Lisboa, que surgiu em tempos de pandemia, para fazer face ao facto de não se poderem realizar eventos, em torno de uma marca ou ação, algo que se demonstra importante para o Grupo, que apostou agora no mercado espanhol e vai alargar os seus estúdios a Elvas.

Bruno Batista, CEO do Grupo GCI explica que o Virtual Arena é uma “plataforma digital que pretende juntar as pessoas num pavilhão virtual para que possam realizar, desta forma, os seus eventos, em torno de uma marca ou ação”. Apresenta-se como um “estúdio Chroma, com uma arquitetura em 3D onde são recrutadas as imagens das pessoas em tempo real, para dentro do cenário, contando com palcos personalizados e ecrãs gigantes”.

O Grupo entrou recentemente no mercado espanhol, através de franchising, em que o projeto foi concessionado a uma agência espanhola, no entanto, pretendem que essa produção continue a ser feita em Portugal, onde têm o estúdio fixo, em Lisboa.

Mas, como explica Bruno Batista, não querem “concentrar tudo na capital e alargaram o projeto a algumas cidades junto da fronteira”, ou seja, quando tiverem um evento, a pedido de uma marca, e se os “oradores espanhóis preferirem realizar o evento em Elvas, por uma questão de proximidade, trazemos todo o cenário e material de produção e produzimos o evento a partir daqui”.

Desta forma pretendem garantir a “qualidade da produção e fomentar o turismo, viagens e restaurantes para que também nestes setores se possa ultrapassar esta altura, que é de crise para todos”, diz o CEO do Grupo GCI.

A cidade de Elvas onde Bruno Batista tem as suas raízes familiares, serve assim de “plataforma logística”, uma vez que a proximidade da fronteira o permite. Neste momento o que se pretende, como explica Bruno Batista, é “apresentar soluções que se tornam mais cómodas para os clientes, e mediante a necessidade do evento e dependendo da tipologia do mesmo, este pode ser realizado, numa sala de hotel da cidade, no CNT, por exemplo, ou mesmo numa parceria com a Creative Led, ou alguma empresa em Elvas que seja parceira”.

Bruno Batista considera ainda que “existem boas empresas em Elvas nesta área, com inovação, que são referências a nível nacional e que podem ser boas soluções e parceiras para implementar os eventos, o que interessa é fomentar a economia de Elvas e a portuguesa, e quando existir a primeira necessidade eventos vamos ter com estas parceiras que têm muita qualidade”.

A Virtual Arena, estúdio de produção de eventos de forma digital, e em 3D que nasce da dificuldade em realizar eventos durante a pandemia, e que depois de explorar o mercado espanhol, alarga os seus estúdios a cidades transfronteiriças, como Elvas, Chaves, Viana do Castelo e Vila Real de Santo António.