João Pires: restauração e comércio de Elvas “ainda aquém das expectativas”

Um mês depois da reabertura da fronteira do Caia, entre Elvas e Badajoz, já se começam a ver algumas mudanças no dia-a-dia das duas cidades raianas.

O sotaque espanhol já se ouve nas ruas de Elvas e os portugueses já começam a deslocar-se a Espanha, sobretudo para fazer compras.

A ausência de espanhóis do lado português afetou em muito a economia elvense. A procura constante pela gastronomia, louças e atoalhados portugueses fez com que alguns empresários ansiassem por este regresso.

O presidente da Associação Empresarial de Elvas, João Pires, considera que “depois da reabertura de fronteiras o concelho melhorou, apesar da expectativa ser alta sobre a esta reabertura, os vizinhos espanhóis estão a vir mas não no número desejado, até porque existem ainda algumas reticências entre a passagem de fronteiras”. No entanto refere que “na área da restauração melhorou bastante mas está ainda aquém do esperado, quanto ao comércio local nota-se uma maior afluência, mas não está ainda no ritmo e afluência que gostaríamos”.

João Pires acrescenta ainda que devemos ter “pensamento positivo, de que esta situação irá dar a volta e devemos continuar com a resiliência que soubemos ter e olhar para os espanhóis, mas sobretudo para os elvenses e pessoas do concelho, que são aqueles que durante algum tempo alimentaram os nossos negócios”. Assim, “não devemos descurar os de fora, mas devemos olhar para dentro e acreditar que amanhã será um dia melhor”, remata o presidente da Associação Empresarial de Elvas.