Espanhóis e animação “fazem mexer” mercado de Elvas ao sábado

O Mercado Municipal da Casa das Barcas, em Elvas, perante a contestação de muitos pequenos produtores do concelho, reabriu no início do mês de abril, após o seu encerramento devido à pandemia Covid-19. Desde então, o mercado abre apenas aos sábados, no período da manhã, com regras muito apertadas, para que se evitem possíveis contágios.

Agora, depois da reabertura de fronteiras e com a animação musical ou teatral, pelos grupos e associações do concelho, o mercado, aos sábados, ganha outra vida, com os comerciantes a conseguir escoar os seus produtores e a faturar.

Maria Caldes é uma das comerciantes que vende os seus produtores por lá. Conta que, felizmente, o negócio “já começa a correr bem”, sobretudo depois do regresso dos clientes espanhóis. Já Natália Conceição garante que a reabertura do mercado foi uma mais-valia para si e para o seu negócio, ainda que revele que sente as pessoas demonstram “algum receio” quando vão à Casa das Barcas.

Marco Reis, outro dos vendedores no mercado, garante que a iniciativa cultural do município, que todos os sábados anima a Casa das Barcas, é “uma mais-valia”, lembrando ainda que os produtores da região sempre precisaram daquele espaço aberto para poder escoar os seus produtos. O comerciante refere ainda que o mais importante é manter a segurança de todos, quando as pessoas criticam o facto de ter de esperar a saída de outras, do espaço, para poderem entrar.

Para Laureta Martins, que também vende os seus produtos no mercado, a reabertura da Casa das Barcas, em abril, foi uma mais-valia, embora assuma que o negócio nada tem a ver com o período pré-pandemia.

Para Catarina Reis, uma das responsáveis da padaria da Casa das Barcas, os clientes espanhóis que vão aparecendo no mercado municipal, já fazem a diferença.

No mercado, por esta altura, não é permitida a presença de vendedores com mais de 65 anos. A entrada de clientes é controlada, sendo que, no espaço, é obrigatório o uso de máscara.