Évora garante 64 milhões de euros para investir em habitação

A Câmara Municipal de Évora conseguiu assegurar, junto do Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU), um investimento total previsional de 63,7 milhões de euros, para a resolução dos problemas habitacionais no concelho, para o período compreendido entre 2020 a 2026. Sabendo que residem 1336 famílias em situação de grave carência habitacional no concelho de Évora, o Município criou condições para apoiar estas famílias no acesso a uma habitação digna.

Assim, foram aprovados vários apoios para a resolução destes problemas habitacionais, tais como a reabilitação da habitação permanente (própria ou arrendada), a construção de novas habitações, o apoio ao arrendamento para subarrendamento e, por último, o apoio à aquisição de unidades residenciais vocacionadas para pessoas vulneráveis, como em situação de sem abrigo e vítimas de violência doméstica.

O acordo de colaboração com o IHRU, cuja assinatura teve lugar no passado dia 17 de julho, na Câmara de Évora, na presença da secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, consiste no apoio à reabilitação da habitação permanente das famílias que residem em más condições de habitabilidade, no valor de investimento previsional de cerca de 18 milhões e 400 mil euros, sendo este investimento com uma componente a fundo perdido e outra de empréstimo bonificado a 30 anos.

Por outro lado, foi aprovado o apoio a proprietários de edifícios situados em pátios, no valor aproximado de 13 milhões de euros, sendo este investimento com uma componente a fundo perdido e outra de empréstimo bonificado a 30 anos. Assim, encontram-se abertas as candidaturas para o apoio à reabilitação da habitação permanente de famílias que residem em más condições de habitabilidade.

Foram aprovados os apoios à Habévora EM, para a reabilitação de habitações devolutas para atribuir em arrendamento apoiado num investimento previsional acima de 7,4 milhões de euros, assim como a reabilitação de 86 habitações em arrendamento apoiado, num investimento previsional de quase cinco milhões de euros e, por último, o apoio ao arrendamento para subarrendamento num investimento previsional pouco acima dos 2,6 milhões de euros. Este investimento total e previsional de cerca de 15 milhões de euros conta com uma componente a fundo perdido e outra de empréstimo a 30 anos.

Por outro lado, foi aprovado a construção de 200 habitações pelo Município, num investimento previsto superior a 17,2 milhões de euros, sendo a sua comparticipação a fundo perdido de aproximadamente 7,7 milhões de euros e quase 9,5 milhões de euros de empréstimo bonificado a 30 anos.

Assim, para além de se encontrarem abertas as candidaturas para apoio às famílias para a reabilitação da habitação permanente (própria ou arrendada) estão abertos os apoios às IPSS, associações de moradores e cooperativas de habitação que pretendam aceder a uma resposta habitacional para pessoas ou famílias que residam em condições indignas como em situação de precariedade, sobrelotação, insalubridade e insegurança habitacional.