“Reabertura do hotel veio ajudar”, diz José Gervásio

A economia elvense sofreu um grande impacto com o encerramento das fronteiras, devido à pandemia Covid-19, e o setor da restauração viu-se bastante afetado. De um momento para o outro, as casas cheias, na maioria dos casos, pelos vizinhos espanhóis, deram lugar a mesas e cadeiras vazias.

Mas o cenário está a mudar, aos poucos, com a reabertura da fronteira do Caia, entre Elvas e Badajoz, no passado dia 1 de julho.

Os vizinhos espanhóis já se ouvem nas ruas de Elvas e os restaurante já notam “alguma afluência, sobretudo dos clientes habituais que estão a regressar. Mas ainda faltam algumas caras conhecidas”, garantiu-nos José Gervásio, proprietário do restaurante Tasquinha Alentejana, localizado na Avenida 14 de janeiro.

Em relação ao cliente português, José Gervásio refere que costumam “aparecer só ao fim de semana. Agora com a reabertura do hotel esperemos que a situação melhore”.

Questionada sobre as expetativas para o verão, José Gervásio espera “um agosto mais ou menos”. Depois, diz, “parece que vai ser a cair outra vez”.