Sistema alimentar europeu mais saudável e sustentável

“Do prado ao prato: o nosso alimento, a nossa saúde, o nosso planeta, o nosso futuro”: é desta forma que se apresenta a linha da nova estratégia da Comissão Europeia para a agricultura no próximo quadro comunitário de apoio.

Esta estratégia, de acordo com Jorge Ferreira, da Plataforma Transgénicos Fora, organismo que vem pedir à ministra da Agricultura para que torne “as próximas medidas agroambientais verdadeiramente ambientais”, servirá para reduzir os impactos da agricultura dominante na Europa.

Reduzir o uso e o risco dos pesticidas de síntese em 50%, assim como as perdas de nutrientes, e aumentar a área de agricultura biológica para 25% de toda a área agrícola da União Europeia são alguns dos principais objetivos desta nova estratégia. Esta linha, adianta Jorge Ferreira, acaba por ser uma aposta numa “agricultura mais amiga do ambiente”, que aguarda agora a aprovação do Parlamento Europeu e do Conselho de Ministros.

“Esta estratégia carece de aprovação do Parlamento e do Conselho de Ministros, o que esperamos venha a acontecer, dada a urgência em colocar a ecologia a par da economia, pois não há sustentabilidade económica se não houver também sustentabilidade ecológica e social”, revela a Plataforma Transgénicos Fora.

“Apelamos finalmente a que todos contribuam para que a agricultura tenha um saldo positivo no balanço entre sequestro e emissões de carbono (ao contrário do que tem acontecido nas últimas décadas), e que um dos objetivos climáticos a agrícolas para Portugal seja aumentar a matéria orgânica do solo agrícola em 1 ponto percentual em 10 anos, o que equivale a cerca de 105 milhões de toneladas de carbono sequestrado e sem risco de arder nos incêndios (30t/ha x 3,5 milhões de hectares)”, pode ler-se ainda na carta enviada pela Plataforma à ministra da Agricultura.