Reabrir fronteira é “oportunidade para desenvolver os dois países”, defende Costa

As fronteiras entre Portugal e Espanha, no Caia, entre Elvas e Badajoz foram reabertas esta quarta-feira, 1 de julho, na presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do rei Filipe VI.

O primeiro-ministro, António Costa, e o chefe do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, também estiveram presentes neste ato simbólico, nas duas cidades raianas, da retoma da aproximação entre os dois países ibéricos, muito importante para os territórios transfronteiriços.

Depois de uma cerimónia em Badajoz, no Museu Arqueológico de la Alcazaba onde se ouviram os hinos dos dois países, a comitiva dirigiu-se para o Castelo de Elvas, onde os dois primeiros-ministros falaram aos jornalistas.

O primeiro-ministro português António Costa, em resposta à comunicação social espanhola, considerou este um momento “muito importante”, uma vez que esta é a fronteira mais antiga da Europa. Costa espera que esta reabertura não seja vista como uma ameaça, mas sim como “uma oportunidade para o desenvolvimento dos dois países”.

“A Europa hoje precisa de mensagens positivas e a abertura das fronteiras é uma. Cerimónias em fortalezas foram momentos simbólicos, porque as fortalezas foram construídas quando os países estavam de costas voltadas”, disse ainda o primeiro-ministro.

“O governo português sempre apoiou Espanha nas horas mais difíceis. A mensagem agora é de sossego, tranquilidade, não baixar a guarda, manter as máscaras, o distanciamento social e aprender a conviver com o vírus”, afirmou, por sua vez, o primeiro-ministro espanhol, que se mostrou muito feliz por estar ao lado do “amigo António Costa”.