Governo apoia fixação de pessoas e empresas no interior do País

O Governo criou medidas de apoio, no âmbito do plano de estabilização e orçamento retificativo, não só para empresas que invistam no interior, como também para pessoas que se desloquem para trabalhar nestas regiões do país.

A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, aquando da sua visita a Elvas, mencionou alguns desses apoios, assim, existem avisos para apoiar empresas que queiram investir no interior, num montante de 110 milhões de euros. Este apoio destina-se a empresas que sejam do interior do país, mas também para quem, para esta região se queira deslocar. A ministra afirma que estes apoios “tiveram uma procura que, mesmo em tempos de pandemia”, algo que “surpreendeu pela positiva, uma vez que “estes apoios nunca tinham sido feitos apenas para estas regiões”, explica Ana Abrunhosa

Outra das medidas é um apoio à mobilidade das famílias que se queiram fixar no interior, para trabalhar ou investir, que é superior a 4 800 euros, existindo uma majoração para pessoas que venham do estrangeiro”.

O Mais Coeso emprego é outro dos apoios que pretende apoiar Pequenas e médias empresas à contração de pessoas e custos associados à criação do posto de trabalho. O apoio pode ir até 1900 euros por pessoa contratada por mês, o que ao fim dos três anos de duração do programa significa um apoio de 68 mil euros, que aumenta para 82 mil euros se abrangerem pessoas em situação de maior fragilidade.

Também existe um apoio, “só para o território do interior do país para as empresas que contratem recursos humanos altamente qualificados, ou seja licenciados há pelo menos 5 anos, mestres e doutorados, para empresas e infra estruturas tecnológicas”, explica a ministra da Coesão Territorial.

Apoios e medidas de incentivo à fixação de empresas e recursos humanos no interior, que foram dados a saber pela ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.