“Pompílio” sem dias de descanso para recuperar da crise

À semelhança do que acontece com todos os restaurantes do país, o “Pompílio”, em São Vicente, no concelho de Elvas, reabriu portas no passado dia 18 de maio.

Duas semanas passadas, o restaurante procura agora tentar recuperar do tempo que esteve encerrado ao público, durante dois meses.

Aos poucos, explica Manuel João Rodrigues, um dos proprietários do restaurante, tudo “está a voltar à normalidade”, sendo que, agora, decidiram estender o serviço às refeições para fora, e por abrir às terças-feiras, dia que, antes, era para descanso do pessoal.

Já Rui Rodrigues, outro dos proprietários do restaurante, explica que em termos de espaço, e tendo em conta as medidas exigidas pelas autoridades de saúde, não enfrentam grandes problemas. Por outro lado e, por esta altura, confessa sentir a falta dos clientes espanhóis. “É um público que nos faz bastante falta, por mais que a nossa casa não seja só dependente dos espanhóis”, revela.

Em cima das mesas, adianta Rui, só se usam toalhas descartáveis, ou de utilização única por cliente. “Só quando o cliente chega é que metemos a mesa”, adianta.

Manuel João revela que, apesar das contas se encontrarem em dia, os dois meses em que estiveram de portas fechadas se traduziram num grande abalo para os cofres do restaurante. Por esta altura, alguns funcionários encontram-se em layoff, enquanto outros estão apenas a trabalho a tempo parcial.

A partir de hoje, os restaurantes podem voltar a utilizar a sua capacidade máxima, desde que consigam assegurar distanciamento de metro e meio entre as mesas e coloquem acrílicos entre os clientes.