Covid-19 obriga Coudelaria de Alter a adiar leilão para outubro

Devido à pandemia Covid-19, a Coudelaria de Alter viu-se obrigada a adiar o seu tradicional leilão, que por norma se realiza no mês de abril, para dia 17 de outubro.

Para além do adiamento desde leilão, Francisco Beja, diretor da coudelaria, lembra que perderam uma receita importante depois de proibidas as habituais visitas.

“Uma das principais responsabilidades que a coudelaria tem é poder mostrar às pessoas o nosso dia a dia e, portanto, a visitação não se faz e é uma das receitas importante que temos e, nesse sentido, é uma limitação que temos. A venda dos cavalos também não se faz e o nosso leilão foi adiado para outubro”, explica Francisco Beja.

Apesar do encerramento ao público, os colaboradores da coudelaria continuam a executar as suas tarefas diárias, uma vez que “os cavalos precisam de ser vigiados, tratados e alimentados todos os dias”, recorda o diretor.

Quanto à possibilidade de uma abertura, a curto prazo, Francisco Beja revela que só poderão fazê-lo quando o Estado assim o permitir. Contudo, lembra que o hotel Vila Galé instalado na vila, parceiro da coudelaria, irá abrir já no dia 9 de junho.

O tradicional leilão da Coudelaria de Alter, a mais antiga do país, está agora agendado para 17 de outubro, às 15 horas e com entrada livre.