Município de Alandroal restaura Capela da Senhora da Boa Nova

O município de Alandroal vai proceder à intervenção de conservação, restauro e reabilitação da Capela da Boa Nova pela em três fases sucessivas.

Esta intervenção resulta de um protocolo de colaboração com a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo), a Paróquia de Terena, S. Pedro e a Confraria de Nossa Senhora da Boa Nova, entidades proprietária e zeladora respetivamente.

A primeira fase, com projeto técnico já desenvolvido pela DRCAlentejo e cedido ao município, incide sobre a cobertura e todo o exterior do imóvel.

A segunda e terceira fases, com projetos técnicos a desenvolver pela autarquia, correspondem, respetivamente, ao restauro do interior da capela e aos arranjos exteriores ao monumento.

O protocolo agora assinado será enquadrador de uma candidatura a fundos do PO regional com o objetivo da recuperação integral deste Monumento Nacional, mas o município vai avançar já para a concretização da primeira fase devido à urgência da intervenção, uma vez que já neste ano, realizou, em colaboração com a DRCAlentejo, arranjos de emergência na cobertura que se revelaram insuficientes face à dimensão do problema.

O imóvel, que por estas razões está incluído na Carta de Risco do Património Cultural, é um dos mais relevantes santuários marianos no Alentejo. Com o grande monumento de Flor da Rosa e, parcialmente, com a fase gótica da igreja de Vera Cruz de Marmelar, a Boa Nova integra a tipologia de “igrejas-fortalezas”, categoria histórico-artística que pretende diferenciar entre as construções religiosas fortificadas (como Leça do Balio) e as verdadeiras fortalezas, cuja planimetria, volumetria e espacialidade obedece, em tudo, a pressupostos.