Banco Alimentar de Portalegre fora da Rede de Emergência

Foi criada uma Rede de Emergência Alimentar para fazer face à pandemia de Covid-19, uma vez que as instituições deixaram de ter condições para poderem fazer a entrega de bens alimentares às famílias. Esta foi estruturada a partir da Federação dos Bancos Alimentares, assente nas Instituições de Solidariedade Social, nas Juntas de Freguesia e outras entidades que prestam apoio, com o objetivo de permitir levar alimentos a quem deles precisa e assim apoiar quem tem baixos recursos económicos e não tenha capacidade de suportar o custo de alimentação que habitualmente é entregue por estas respostas sociais.

O Banco Alimentar de Portalegre “para já não aderiu a esta rede, uma vez que não dispõe de voluntários suficientes para tal, no entanto as instituições com as quais têm protocolo mantém a atividade de recolher alimentos e fazer a distribuição às pessoas carenciadas”, explica Isidro Santos, presidente da Delegação de Portalegre.

A não adesão a esta rede prende-se com o facto de não terem voluntários suficientes, que colaborem nesta situação”, no então o presidente afirma que “as instituições continuam a recolher alimentos para distribuir as famílias”.

O mote desta Rede é associar e partilhar: associar as respostas sociais que permanecem no terreno e as que surgiram; partilhar recursos e necessidades. Para que nada quem precise de ajuda a possa encontrar perto da sua casa.