Cabeleireiros em maio só por marcação e clientes limitados

Os cabeleireiros vão poder abrir portas e retomar a atividade, de forma gradual, quando terminar o estado de emergência, a 2 de maio.

O acesso aos cabeleireiros por marcação prévia, a imposição de um número limitado de pessoas dentro dos estabelecimentos e os clientes e funcionários estarão obrigados a usar máscara e materiais descartáveis são regras que o setor terá de observar quando reabrir ao público.

Num comunicado subscrito pelas associações representantes do setor dos cuidados pessoais, hoje enviado às redações, a presidente da Associação Portuguesa de Barbearias, Cabeleireiros e Institutos de Beleza, Cristina Bento, refere que “foi desenvolvido um documento que inclui um conjunto de regras e recomendações essenciais para a reabertura dos estabelecimentos”.

Entre as medidas delineadas, inclui-se a imposição de um número limitado de pessoas dentro de cada estabelecimento, para que seja possível cumprir as indicações de distanciamento social que têm sido sublinhadas pela autoridade de saúde.

O acesso aos serviços será feito apenas por marcação, solução que permitirá evitar concentrações de pessoas além do número limite que deve ser observado, e os clientes e funcionários estarão obrigados a usar máscara e materiais descartáveis.

Segundo a Associação Portuguesa de Barbearias, Cabeleireiros e Institutos de Beleza, existem, em Portugal, mais de 38 mil salões de cabeleireiro e institutos de beleza, que empregam mais de 50 mil pessoas.