PSP regista menos crimes e estradas mais seguras

No contexto do atual quadro do Estado de Emergência em Portugal, a Polícia de Segurança Pública (PSP) tem dedicado grande atenção à variação da criminalidade e a algumas tipologias criminais que podem conhecer agravamentos ou novas formas de concretização.

Entre 13 a 31 de março, em comparação com o período homólogo de 2019, foram registadas as seguintes tendências quanto à criminalidade: uma diminuição da criminalidade geral na ordem dos 56%, com menos 5258 crimes registados, e uma diminuição da criminalidade violenta a grave na ordem dos 42%, com menos 218 crimes registados.

Quanto aos crimes com maior crescimento, no mesmo período, foram registados: abandono de animas, com um acréscimo de 100%, correspondendo a mais 10 situações detetadas; burla com fraude bancária, com um crescimento de 67%, correspondendo a uma variação de 31 casos; e furto em outros edifícios (que não residências ou estabelecimentos comerciais ou industriais) com arrombamento, escalamento ou chave falsa, com um acréscimo de 16%, correspondente a mais sete ocorrências.

Quanto aos crimes com decréscimo mais acentuado, no mesmo intervalo de tempo, foram registados: furto por carteirista, com um decréscimo de 91%, correspondente a menos 427 denúncias; ofensa à integridade física simples, com uma redução de 68%, relativo a menos 470 denúncias; roubo na via pública, com um decréscimo de 62%, relativo a menos 167 registos; furto em residência com arrombamento, escalamento ou chave falsa, com um decréscimo de 62%, relativo a menos 146 ocorrências; furto em veículo motorizado, com uma redução de 57%, relativo a uma redução em 459 ocorrências; e violência doméstica, crime no qual a redução se cifra nos 38%, com menos 336 ocorrências.

No que respeita a sinistralidade rodoviária, registou-se um decréscimo de 49% dos registos, correspondente a menos 1236 acidentes, menos cinco vítimas mortais, menos cinco feridos graves e menos 456 feridos ligeiros.

A PSP concretizou ainda a detenção de 55 cidadãos por desobediência no quadro legal específico deste estado de exceção e procedeu ao encerramento de 226 estabelecimentos. Foram ainda realizadas 2825 operações no quadro do estado de emergência, tendo sido controladas mais de 35 mil pessoas e cerca de 54 mil veículos e seus ocupantes.