Vítimas de violência doméstica com linha de apoio

Com a imposição de quarentena obrigatória, há um aumento do risco de casos de violência doméstica.

Nesse sentido, o Governo criou um mecanismo de SOS que permite o envio de mensagens de texto rápidas (SMS) por pessoas que estejam a ser vitimas de violência doméstica nesta altura de isolamento social devido à pandemia da Covid-19.

Joana Figueiredo (na foto), psicóloga no núcleo de atendimento a vítimas de violência doméstica da Cruz Vermelha Portuguesa da Delegação de Portalegre, refere que “as entidades que acompanham estes casos estão a tentar criar estratégias que permitam apoiar as vítimas numa altura em que o isolamento social é uma arma para os agressores”.

Até ao momento, Joana Figueiredo refere que “até há à data não se registou um aumento de casos no âmbito do seu território de intervenção”, do qual fazem parte os concelhos de Arronches, Campo Maior, Castelo de Vide, Elvas, Marvão, Monforte e Portalegre. Nós estamos em tele trabalho mas mesmo assim continuamos a fazer o apoio diário das nossas vítimas e sempre que surja uma situação de emergência, em que seja preciso a deslocação das técnicas e das forças de segurança ao local, estamos cá para dar essa ajuda”.

A linha de apoio está disponível através do número 3060, que permite o envio de mensagens de texto rápidas (SMS) pelas vítimas que queiram pedir ajuda. Este mecanismo é gratuito e garante a confidencialidade, uma vez que não fica qualquer registo no detalhe mensal das faturas.

Para além da linha de apoio por mensagem, pode ainda contactar a linha nacional de apoio à vítima de violência doméstica, através do 800 202 148. A chamada é gratuita e a linha está disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano.