Benedetto vê-se obrigado a despedir funcionários

Após decretado o estado de emergência em Portugal, todos os restaurantes tiveram de encerrar ao público, sendo que alguns já começam a despedir empregados, uma vez que não conseguem fazer face às despesas.

Agora, os restaurantes podem funcionar, apenas, em regime de entregas ao domicílio e de comida para fora, o chamado take-away.

Em Elvas, no caso do Benedetto, um de três funcionários já foi despedido, revela o proprietário João Cobra, adiantando que foram obrigados a adaptar-se às circunstâncias, com um serviço que nunca foi aposta.

“Tivemos que nos adaptar a esta nova realidade, mas estamos a ter uma quebra de caixa muito grande. Tinha três funcionários e um tive que o despedir. Tinha assinado contrato no dia 15 de março e vou ter de despedir os outros dois, porque não conseguimos aguentar”, explica João Cobra. “Optámos por fazer algumas refeições e estou sou eu e a minha esposa a servi-las”, adianta.

João Cobra assegura ainda que, no dia em que se estiver “a afundar”, terá de fechar portas, de forma definitiva, apontando ainda o dedo às medidas de apoio do Estado às empresas.  “Nós não estamos a conseguir liquidez, neste momento, para fazer face aos encargos que temos, e não acredito que seja com linhas de crédito, a pagar com juros, que vamos conseguir dar a volta à situação”, atira.

Por enquanto, os clientes do Benedetto podem entrar em contacto telefónico para encomendar os seus pedidos, através do 965 033 895 e consultar a lista de pratos confecionados diariamente na respetiva página de Facebook. O take-away do snak-bar da Urbabização Olival do Moreno, em Elvas, está em funcionamento todos os dias da semana.