PCP de Portalegre considera “inaceitável” situação de trabalhadores da Hutchinson

O Secretariado da DORPOR (Direção da Organização Regional de Portalegre) do PCP enviou um comunicado acerca da situação que está a ser vivida pelos trabalhadores da Hutchinson em Campo Maior e Portalegre.

No comunicado a DORPOR do PCP “considera inaceitável a imposição do banco de horas aos trabalhadores das fábricas da Hutchinson em Campo Maior e Portalegre”.

Em Campo Maior, a fábrica pressionou os trabalhadores a assinarem um “acordo” de banco de horas individual que vigorará, pelo menos, até 31 de dezembro. Em Portalegre, foi decidido uniteralmente ativar o banco de horas e colocar os trabalhadores em casa, a partir do dia de hoje, 23 de março, durante um período de 10 dias. Não é aceitável que a pretexto do COVID-19 se intensifique a exploração laboral e se faça uso da pressão e da chantagem aos trabalhadores para que estes aceitem a retirada de direitos.

O Secretariado da DORPOR do PCP considera ainda “inaceitáveis as medidas que têm vindo a ser tomadas na fábrica da Hutchinson de Portalegre, nomeadamente o despedimento de trabalhadores (na sua maioria mulheres), a imposição a outros do trabalho ao fim-de-semana como dia normal de trabalho, a alteração do horário das pausas.”

O Secretariado da DORPOR do PCP reafirma aos trabalhadores o seu firme compromisso de agir na defesa dos seus interesses e direitos e exorta todos a lutarem e a exigirem melhores condições de trabalho, horários regulados e o aumento dos salários para todos.