Máscaras de proteção mais caras e quase esgotadas

O aumento do número de casos de coronavírus, e a chegada do mesmo a Portugal, fez disparar a procura de máscaras de proteção e o preço a que estão ser vendidas.

Em Elvas, as farmácias não conseguem dar resposta à procura de marcaras e produtos de desinfeção, como é o caso do álcool em gel, que segundo Gustavo Moutta, diretor técnico da farmácia Moutta, “estão esgotados”, apesar da “procura enorme por máscaras e álcool desinfetantes”. O diretor técnico acrescenta que “quando enviam este material é em quantidade reduzida”.

Gustavo Moutta garante que a crescente procura tem feito disparar o preço deste produtos, as máscaras cirúrgicas e com filtros, por exemplo, “aumentaram para o dobro do preço, se antes 50 unidades custavam 12 euros, agora custam mais de 20 euros.”

A procura de máscaras e desinfetantes é diária, na Farmácia Moutta, e é feita, “não só por portugueses mas também por espanhóis, uma vez que em Espanha os produtos também já esgotaram”. Os fornecedores, adianta Gustavo Moutta, vão distribuindo, de forma racionada, os produtos que ainda têm em stock, pelas cerca de 2.900 farmácias do país.

COVID-19 é o nome oficial, atribuído pela Organização Mundial da Saúde, à doença provocada por um novo coronavírus, que pode causar infeção respiratória grave, como a pneumonia. Este vírus foi identificado pela primeira vez em humanos, no final de 2019, na cidade chinesa de Wuhan, província de Hubei, tendo sido confirmados casos em outros países, como é o caso de Portugal que conta já com nove casos registados.

A Direção Geral de Saúde aconselha o uso de máscaras apenas aos portadores do vírus ou por parte de quem tenha estado em contacto com um portador. Uma pessoa saudável não precisa usar máscara tem sim que reforçar a lavagem das mãos, tossir ou espirrar para o braço com o cotovelo fletido, e não para as mãos e usar lenços de papel (de utilização única) para se assoar, entre outras.

Em Elvas, além das máscaras, cujos preços dispararam, álcool em gel, álcool etílico e as toalhitas com álcool encontram-se em números mínimos. Segundo informação da Rádio ELVAS, estes deverão ser os próximos produtos a esgotar.