“Câmara não pode assumir tudo” na próxima Expo Alentejo, diz Rondão

Foi ao som do Grupo Voz Amiga da Terrugem que chegou ao fim ontem, domingo, dia 2, a primeira edição da Expo Alentejo, no Centro de Negócios Transfronteiriço de Elvas.

Foram quatro dias de debates, música, animação, cultura e convívio que marcaram este evento, caracterizado sobretudo por dar destaque ao que de melhor se faz na região.

Desta iniciativa, José Rondão Almeida (na foto), vereador na Câmara Municipal de Elvas, conclui que “a parte dos colóquios foi o que correu menos bem. Devem continuar a existir, porque debater as problemáticas relacionadas com o desenvolvimento da nossa região é muito importante. Agora, temos de ver quais são as pessoas e entidades certas que se devem mobilizar para criar grupos de trabalho para esses colóquios. A Câmara é o suporte total. Não pode assumir tudo”.

No futuro, Rondão Almeida gostaria de ver envolvidas “as Comunidades Intermunicipais de Portalegre, Évora e Beja e associações empresariais, na organização das próximas edições da Expo Alentejo”.

“Esta é a lição que tiramos da primeira edição: necessitamos de mais pernas para caminhar e eu considero que não temos nem pernas nem braços para o que esta feira do Alentejo pode vir a ser”, rematou o vereador.

A Expo Alentejo foi organizada pela Câmara Municipal de Elvas e decorreu entre quinta-feira e domingo, dias 30 de janeiro e 2 de fevereiro, no Centro de Negócios Transfronteiriço, em Elvas.