Alentejo 2030 está a ser preparado a nível regional

No âmbito da preparação da estratégia regional Alentejo 2030, foram realizadas cinco sessões temáticas, uma parceria entre a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Alentejo (CCDRA) e as Comunidades Intermunicipais (CIM) do Alentejo e da Lezíria do Tejo.

Com o objetivo de elaborar o Plano de Ação e a Estratégia Regional no horizonte 2030, iniciaram-se os trabalhos, ainda em 2018,com o contributo regional para a Estratégia Portugal 2030.

Foi um processo participado, trabalhado ao nível sub-regional, com várias sessões alargadas, de debate, que resultaram na identificação de desafios estratégicos e prioridades de intervenção para o Alentejo.

O processo foi retomado/continuado com maior intensidade com o primeiro momento do Roteiro 2019, num evento plenário realizado em janeiro desse ano e que incluiu uma conferência sobre “Os desafios da convergência” e três mesas temáticas sobre “Os dados e o território”; “A sustentabilidade e o território”; “A governação e o território”.

Posteriormente, foram realizadas reuniões com as diversas entidades e foi preparado e aplicado um questionário aos stakeholders regionais e realizadas entrevistas a pessoas com relevância e pensamento sobre a Região.

Atualmente, está a ser revisto e melhorado o documento do contributo regional para o PT2030. Prossegue-se a preparaçãoda estratégia regional e a estabilização/validaçãodos grandes desafios para o Alentejo no horizonte 2030.

Com igual propósito de atualização dos documentos programáticos, as CIM estão a fazer a revisitação das suas Estratégias Sub-Regionais.

Nestes trabalhos de preparação da estratégia regional Alentejo 2030, as cinco sessões temáticas foram momentos importantes de partilha de conhecimentos e experiências, de contributos e sugestões para o próximo período de programação.

Com foco nos desafios estratégicos para o Alentejo 2030, as sessões ocorreram em Ponte de Sôr – “Alargamento da base territorial de competitividade” – Évora “Consolidação do sistema regional de inovação”, Santarém – “Reforço da Ação Coletiva Regional”, Beja – “Sustentabilidade Territorial” e Grândola – “Reforço do sistema urbano regional”

Com o foco nos desafios estratégicos do Alentejo, as sessões permitiram balancear o passado recente, olhar o presente e refletir em conjunto sobre o futuro.

Das sessões resultaram contributos relacionados com tendências e oportunidades de desenvolvimento, dinâmicas territoriais, dimensões problemas,caminhos para o futuro, agentes a envolver.