Elvense queixa-se de negligência médica

Uma elvense acusa uma dentista, de uma clínica da cidade, de negligência médica. Em causa, estará uma alegada infeção numa gengiva, depois da restauração de um dente.

Ainda antes da alegada infeção, esta utente revela que a dentista em questão ter-lhe-á partido o dente ao lado daquele que se encontrava a ser restaurado. “Saí da clínica com o dente arranjado, mas, passados vinte minutos, dei conta que tinha o dente ao lado, da frente, lascado”, conta.

Decidida a obter explicações para o sucedido, procurou respostas, junto da dentista. “Disse-me que era impossível, porque não tinha o dente partido (…), mas lá me o arranjou assim às pressas”, adianta, depois de ter alegadamente confrontado a dentista.

Passados dois meses da restauração, a doente terá dado conta de uma infeção. “Eu própria, em casa, com um fio dentário, comecei a ver o que tinha na gengiva e vi que sai o fio retrator gengival”, acrescenta.

Quando voltou à clínica, para falar com a dentista, sobre o fio retrator que retirou da gengiva (na imagem ao lado), terá sido alegadamente “mal recebida”, porque, segundo refere, não terá tratado a dentista por doutora. “Só tinha que ser sincera e humilde e pedir-me desculpa, dizer-me que sim, que errou”, acrescenta a queixosa.

A utente esperava um pedido de desculpa pelo sucedido, mas, segundo revela, e tendo em conta a forma como foi tratada, decidiu apresentar queixa na Entidade Reguladora da Saúde. O processo, contudo, viria a ser arquivado. Esta mulher quer agora que o processo seja reaberto, uma vez que pretende o reembolso da consulta que originou a infeção.

A Rádio ELVAS contactou a clínica em questão, que nos respondeu que o “assunto está encerrado”, uma vez que as entidades competentes decidiram arquivar o processo.

Além disso, assegura um dos membros da clínica, o alegado erro cometido não tem qualquer dano para a saúde, adiantando que a utente fez duas restaurações e apenas pagou uma. “Esta senhora escolhe os preços que tem de pagar” e “não gostou da justificação que lhe foi dada pela Entidade Reguladora da Saúde”, foi-nos dito ainda.