Prospeção de minérios no Alentejo no “Ambiente em FM”

Depois de, em tempos, recusado um pedido de prospeção de minérios numa área de localizada nos concelhos de Montemor-o-Novo, Vendas Novas e Évora, uma nova empresa volta a tentar a exploração de minerais como ouro, prata, cobre, chumbo e zinco na Serra de Monfurado.

Na edição desta semana da rubrica “Ambiente em FM”, Nuno Sequeira, da Quercus, adianta que, desta feita, “o pedido foi feito para uma área de intervenção maior”, com mais de 400 km2. “O projeto é altamente nefasto para a região”, garante, adiantando ainda que a Quercus considera que “o Estado não deveria sequer equacionar esta possibilidade, uma vez que este pedido não cumpre os requisitos legais ao nível daquilo que é mencionado na legislação em vigor”.

O facto do projeto de prospeção integrar áreas classificadas como Rede Natura 2000, como a “Serra do Monfurado” e “Cabrela”, onde se incluem diversos habitats protegidos, leva a Quercus a apresentar o seu parecer negativo.

Nuno Sequeira adianta que, com o projeto de prospeção, viria a exploração, o que, a seu tempo, viria provocar, entre outros, a “detonação de toneladas de explosivos, com ruído acentuado e a emissão constante de poeiras com elevados impactos sobre a qualidade de vida das populações”.