PSOE ganha em Espanha sem maioria absoluta

O Partido Socialista Obrero Espanhol (PSOE) surge como vencedor das eleições legislativas antecipadas deste domingo, em Espanha. Quando estão apurados 63,52% dos resultados, os socialistas de Pedro Sánchez surgem com 29,38% dos votos e 124 deputados eleitos, num domingo muito participado pelos eleitores do Pais vizinho.

O Partido Popular (PP), de Pablo Casado, aparece com 16,67% e 65 deputados, o Ciudadanos (Cs), de Albert Rivera, com 15,24% dos votos e 57 deputados, o Podemos, de Pablo Iglesias, com 11,95% e 35 deputados e o mais recente partido, o Vox, de Santiago Abascal, com 10% dos votos e 23 deputados eleitos para o Parlamento espanhol.

Assim, segundo estes dados, os socialistas, apesar de aumentarem deputados, muito para além dos 84 que têm atualmente, ficam abaixo da maioria absoluta necessária para governarem sozinhos e que se situa nos 176 eleitos.

Pode agora haver um governo de coligação, algo que até hoje nunca aconteceu em Espanha. Sanchez pode juntar-se ao Podemos, ou entre outros cenários de coligação, pode unir-se ao Partido Nacionalista Basco (PNV), que tem seis deputados, ou até com a Esquerda Republicana da Catalunha, que surge com 15 eleitos.

Em Espanha, é noticia o pior resultado de sempre do PP, maior partido da oposição e juntando os partidos de direita Ciudadanos e Vox, a ala mais conservador da Moncloa  também não consegue chegar à maioria absoluta de deputados.

Pode haver uma aliança entre PSOE e Ciudadanos num bloco central à espanhola, mas esta solução está longe de se concretizar para Pedro Sánchez (PSOE) e Albert Rivera (Cs)  que descartaram a hipótese de uma aliança pós-eleitoral, além de se terem insultado de forma bastante dura durante a campanha e durante os dois debates televisivos.

Na Extremadura, o PSOE ganhou as eleições com cinco deputados, o PP e Ciudadanos alcançam dois cada um dos partidos e Vox terá garantido um deputado, segundo informa o Ministério do Interior espanhol.