Páscoa com 6 mortos e 27 feridos graves em 764 acidentes

A operação Páscoa teve início na passada quinta-feira, dia 18, e até ao dia de ontem, 21 de abril, a Guarda Nacional Republicana (GNR) registou 764 acidentes rodoviários, de onde resultaram 27 feridos graves e seis vítimas mortais.

Relativamente aos acidentes que envolveram vítimas mortais, a GNR informa que, no dia 20 de abril, no concelho de Valença, uma colisão entre três veículos, resultando em cinco feridos (dois feridos graves e três feridos leves) e uma vítima mortal, um homem, de 34 anos, sendo este passageiro de uma das viaturas; no dia 21 de abril, no concelho de Alvaiázere, um despiste de um motociclo, em que resultou na morte do condutor, um homem de 28 anos; no dia 21 de abril, concelho de Paredes, uma colisão entre um veículo ligeiro e três motociclos, provocando duas vítimas mortais (condutores de dois motociclos), dois homens de 37 e 39 anos, e um ferido grave (condutor de motociclo); no dia 21 de abril, concelho do Barreiro, uma colisão entre um veículo ligeiro e um motociclo, resultando na morte do condutor do motociclo, um homem de 48 anos; no dia 22 de abril, no concelho de Mora, um despiste de um veículo ligeiro, resultando na morte do condutor, um homem de 29 anos.

Em resultado das ações desencadeadas pelos militares dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, a GNR registou cerca de 17 mil condutores fiscalizados, dos quais, 303 conduziam com excesso de álcool e, destes, 123 foram detidos por conduzirem com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,2 g/l. Foram ainda detidas 40 pessoas por conduzirem sem habilitação legal; das 4908 contra ordenações rodoviárias detetadas, destacam-se: 2 462 por excesso de velocidade;  228 por falta de inspeção periódica obrigatória; 187 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização; 144 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças; 142 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução; 85 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

A operação termina hoje, dia 22, à meia-noite, em que a GNR continuará a ter especial preocupação com os comportamentos de risco dos condutores, sobretudo os que ponham em causa a sua segurança e a de terceiros.