Barreiras evitam entrada de jacintos de água no Alqueva

Foto: EDIA,SA

Os trabalhos de remoção dos jacintos de água do Rio Guadiana, por parte da Unidade Militar espanhola de Emergências, já terminaram.

Estes trabalhos não garantem contudo que a planta invasora não possa voltar a expandir-se, mas tratou-se de um trabalho meritório das autoridades espanholas, evitando a propagação para o território português, com especial incidência na Barragem de Alqueva.

O presidente da EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, José Pedro Salema, refere que “o troço internacional do Alqueva está dotado de três barreiras o que não impede a passagem de algumas plantas devido à variação do caudal da água”.

A situação de Espanha foi muito dramática uma vez que à chegada da Unidade Militar espanhola de Emergências, havia 175 quilómetros de margens e cerca 400 hectares infetados com jacintos de água.

“A prioridade foi retirar todas as plantas da água, uma vez que basta ficar uma para que esta se propague muito rapidamente”, sublinhou o responsável.

A intervenção estendeu-se por uma área de quase 35 quilómetros de rio que se prolongou até junto de Talavera La Real.

O Jacinto-de-Água Doce é uma planta originária do Amazonas que impede a entrada de luz solar e a oxigenação das águas, com graves consequências para fauna e flora.