Doente de Elvas teve transporte de helicóptero recusado de Évora a Lisboa (c/som)

O médico António Peças, médico do helicóptero INEM de Évora, médico que questionou repetidamente a urgência de transporte de doentes,  recusou-se a transportar um doente de Elvas para Lisboa.

O senhor, de 82 anos, de Elvas, tinha dado entrada no Hospital de Évora, pela Via Verde AVC, e António Peças recusou transportar, por entender que o quadro clínico não o exigia e que o transporte de ambulância para Lisboa, onde iria fazer um tratamento que tinha de começar num curto espaço de tempo tempo para ser eficaz, e o transporte de helicóptero seria mais rápido.

António Peças recusou e resistiu ainda ao transporte de uma mulher com um aneurisma, e um outro doente para o hospital de Faro, e o doente acabou por morrer. Há, contudo, indícios que colocam o médico à mesma hora a trabalhar numa tourada.

Os registos das chamadas de ambos os casos, a que o Observador teve acesso, revelam ainda o desconforto de alguns médicos nas conversas com António Peças (sobretudo a médica do Hospital de Faro, que cuidava da doente com o aneurisma) e alguns desabafos entre elementos do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM.

O médico já foi afastado do INEM e a cessação do contrato, que já lhe foi comunicada, tem a data do próximo dia 1 de fevereiro. A Ordem dos Médicos entregou o caso ao Conselho Disciplinar e o Ministério Público decidiu abrir um inquérito para investigar as denúncias.

(fotografia e video do Observador)