Portugal preferido das exportações da Estremadura espanhola

As exportações de produtos agro-alimentares da região da Estremadura espanhola têm aumentado significativamente nos últimos anos, dada a procura de novos mercados após a crise económica ter afetado a procura interna espanhola, o que forçou a procura de novos mercados. No entanto, a produção agrícola na Estremadura caiu 2,7%, apesar de registar aumentos de produção.

Com destaque para os vinhos, a vizinha região da Estremadura espanhola vendeu mais de cem milhões de euros, sendo Portugal o primeiro comprador, registando mais de metade do total (55 milhões de euros), seguindo-se França (11 milhões) e China (8 milhões).

O tabaco bruto é outro dos produtos com maior peso nas exportações regionais, com vendas acima dos 82 milhões de euros no ano passado e mais uma vez Portugal em primeiro lugar, com compras no valor de 26 milhões de euros, o dobro do realizado pela Polónia (13 milhões) que surge como segundo destino.

Já nos preparados ou conservas de tomate, onde os valores de 2017 atingiram 218,2 milhões de euros, sendo líder o mercado da Alemanha (40 milhões de euros), seguido do Reino Unido (32 milhões) e da França (31 milhões).

Na Estremadura, a fruticultura tem um peso importante, tendo damascos, cerejas e pêssegos chegado aos 119 milhões de euros exportados. Neste caso, é o Brasil que ocupa o primeiro lugar entre os destinos, com exportações  a situarem-se nos 20 vinte milhões de euros, superando a Alemanha, com 19 milhões de euros, e o Reino Unido, com 14 milhões de euros.

Os produtos agrícolas de exportação com maior peso foram ainda o azeite, com 66 milhões de euros; a cortiça, com 64 milhões vendidos e molhos preparados, com 50 milhões.