Efeito da mudança da hora na saúde no “De Boa Saúde”

Há décadas que, no último domingo de março e no último domingo de outubro, se mudam os relógios e, mesmo que os smartphones já o façam sozinhos, continua a ser necessário dar a volta aos ponteiros do relógio.

Na maioria das pessoas, o relógio biológico central procura adaptar-se entre quatro a seis dias, a partir do qual voltaremos a funcionar adequadamente. O médico Pintão Antunes refere que “a adaptação à mudança de hora é equivalente à adaptação aos fusos horários quando viajamos para outro país” e que, apesar de o ser humano ter uma ótima capacidade de adaptação, “o que o prejudica verdadeiramente é usar a noite para viver”.

A mudança de hora na nossa saúde é o assunto do programa “De Boa Saúde” desta semana, com Carlos Falcato e o médico Pintão Antunes, na Rádio ELVAS.